A NAME for Health

DISSEMINAÇÃO



MGF.net Talks 2011

As MGF.net Talks 2011 irão decorrer nos próximos dias 18 e 19 de Novembro de 2011, na Ordem dos Médicos, no Porto.

O programa científico do evento está disponível em http://www.mgfamiliar.net/Prog_MGFnet_2011.pdf.

Transmissão em direto - 18 e 19 de Novembro de 2011



A Mobilidade clínica como instrumento de melhoria da formação médica

A Organização Mundial de Saúde1 tem vindo a salientar o papel determinante que os recursos humanos da área da saúde assumem no funcionamento dos sistemas de saúde, especialmente em países onde não existem condições para formar profissionais suficientes para abranger toda a população. No sentido de combater esta realidade, esta organização tem vindo a incentivar a criação de parcerias entre países que promovam a formação de profissionais de saúde dos países em desenvolvimento e a utilização de abordagens inovadoras na educação contínua através da utilização das novas tecnologias da comunicação e informação.

O projecto A NAME for Health engloba um programa de mobilidade clínica com vista à melhoria da formação de profissionais médicos dos países parceiros – Angola e Moçambique. Este programa trouxe quatro docentes clínicos africanos à Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP)/Hospital de São João, E.P.E., estando já agendada a realização de mais estágios clínicos ao longo do próximo ano.

Para perceber a importância da mobilidade clínica no cumprimento dos objectivos do projecto e o seu impacto na melhoria do ensino médico e prática clínica das universidadades parceiras foram realizadas entrevistas aos docentes clínicos que integram os estágios referidos, registando assim o seu testemunho sobre a participação neste programa de mobilidade.

Ana Graça e Tomás Zimba são docentes clínicos da Faculdade de Medicina da Universidade Educardo Mondlane, em Maputo, Moçambique. Maria Helena Vitória e Cezaltina Kahuli são docentes clínicos da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, em Luanda, Angola.

Entrevistados sobre a sua experiência pessoal no âmbito deste programa, os relatos dos estagiários clínicos focaram pontos fulcrais do projecto A NAME for Health e determinantes para o seu sucesso.

Questionada sobre os benefícios da mobilidade, Cezaltina Kahuli refere que a mobilidade “permite novas formas de organização e de atendimento à população com problemas de saúde”. Reforçar as “competências e a qualificação do pessoal docente ligado ao processo de ensino-aprendizagem nas escolas do ensino superior em Angola” é, segundo a ela, essencial para que “essas pessoas possam contribuir activamente para uma maior qualificação dos quadros e para uma maior entrega ao mercado de trabalho”. Finalmente, destaca que “esse processo todo é bom para um intercâmbio entre as universidades de Angola e Moçambique”.





A contribuição da mobilidade clínica para a formação médica, através das redes de comunicação entre as faculdades e escolas de medicina traduz-se, segundo Ana Graça, “na troca de experiências, quer no que se refere aos métodos do ensino quer no que se refere aos métodos clínicos e da investigação” quer na importância de “aprender com os outros”.



A articulação entre as faculdades de medicina e os hospitais é também determinante para a formação médica. Na opinião de Tomás Zimba, esta articulação reflete-se numa “simbiose”, tal como a que encontrou entre a FMUP e o Hospital de São João, na qual ambas “as instituições saem a ganhar”, já que “isso é muito importante para a aprendizagem, para a pesquisa, para a troca de informação entre os não docentes e os docentes”, concretizando-se de forma efectiva na “formação contínua médica”.



Maria Helena Pereira destaca as “muitas ideias” que leva e ”principalmente a ideia de que é possível caminhar para um rendimento melhor”.



As entrevistas integrais realizadas aos estagiários clínicos que integram o programa de mobilidade do projecto A NAME for Health estão disponíveis na plataforma na plataforma de e-learnign do prjecto.

Continuaremos a dar a conhecer os depoimentos dos estagiários clíncios sobre esta iniciativa e a sua contribuição para a melhoria da prestação de cuidados de saúde em Angola e Moçambique.

1 The world health report 2006: Working together for health. Geneva, World Health Organization, 2006.